compre, baixe e leia

O príncipe da privataria

O príncipe da privataria

Geração Editorial

avaliações

Edição digital


Onde você pode ler:
Compatível
Incompatível
  • Windows PC
  • iPad®
  • Tablets Android
  • iPhone®
  • Smartphone Android
  • Mac OS
Tablets Android testados
Samsung, Motorola e Sony
ver todos os dispositivos e requisitos
Formatos Formatos

ePub

ePub: Trata-se de um padrão internacional para livros digitais. Permite que a leitura seja uma experiência agradável em qualquer tamanho de tela, pois permite aumentar ou reduzir o tamanho da fonte utilizada, bem como o tamanho da página, entre outras funcionalidades, adequando o livro às necessidades do usuário.

OFIP: Inovadores, estes formatos de publicação permitem não somente uma leitura mais agradável, como também trazem ferramentas interativas como vídeos, álbuns de fotos, hypertextos, hyperlinks e visualização conforme a preferência do leitor (retrato ou paisagem, disponíveis somente em iPad).

PDF: O PDF (Portable Document Format) é um formato portátil para documentos, muito usado na internet devido à sua versatilidade, facilidade de uso e tamanho. Um documento PDF tem a mesma aparência, gráficos e formato que um documento impresso.

ver ficha técnica

Edição digital

Editora
Geração Editorial 
ISBN-13
9788581302027 
Edição
1ª Edição 
Idioma
Português 
Número de páginas
400 
Formato
ePub 
Impressão
Não Permitida 
Cópia
Não Permitida 

Descrição

Neste livro-reportagem, o jornalista Palmério Dória (Honoráveis Bandidos – Um retrato do Brasil na era Sarney, entre outros títulos) conta a história secreta de como o Brasil perdeu seu patrimônio e Fernando Henrique Cardoso ganhou a sua reeleição.
A reportagem retrata os dois mandatos de FHC, que vão de 1995 a 2002, as polêmicas e contraditórias privatizações do governo do PSDB e revela, com profundidade de apuração, quais foram os trâmites para a compra da reeleição, quem foi o “Senhor X” – a misteriosa fonte que gravou deputados confessando venda de votos para reeleição – e quem foram os verdadeiros amigos do presidente, o papel da imprensa em relação ao governo tucano, e a ligação do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) com a CIA, além do suposto filho fora do casamento, um ”segredo de polichinelo” guardado durante anos.

Leia mais Voltar