compre, baixe e leia

Cinquenta tons de liberdade

Cinquenta tons de liberdade

Intrínseca

avaliações

Edição digital

de R$ 13,90 por

Onde você pode ler:
Compatível
Incompatível
  • Windows PC
  • iPad®
  • Tablets Android
  • iPhone®
  • Smartphone Android
  • Mac OS
Tablets Android testados
Samsung, Motorola e Sony
ver todos os dispositivos e requisitos
Formatos Formatos

ePub

ePub: Trata-se de um padrão internacional para livros digitais. Permite que a leitura seja uma experiência agradável em qualquer tamanho de tela, pois permite aumentar ou reduzir o tamanho da fonte utilizada, bem como o tamanho da página, entre outras funcionalidades, adequando o livro às necessidades do usuário.

OFIP: Inovadores, estes formatos de publicação permitem não somente uma leitura mais agradável, como também trazem ferramentas interativas como vídeos, álbuns de fotos, hypertextos, hyperlinks e visualização conforme a preferência do leitor (retrato ou paisagem, disponíveis somente em iPad).

PDF: O PDF (Portable Document Format) é um formato portátil para documentos, muito usado na internet devido à sua versatilidade, facilidade de uso e tamanho. Um documento PDF tem a mesma aparência, gráficos e formato que um documento impresso.

ver ficha técnica

Edição digital

Editora
Intrínseca 
ISBN-13
9788580572179 
Edição
1ª Edição 
Idioma
Português 
Número de páginas
544 
Formato
ePub 
Impressão
Não Permitida 
Cópia
Não Permitida 

Descrição

Quando a ingênua Anastasia Steele conheceu o jovem empresário Christian Grey, teve início um sensual caso de amor que mudou a vida dos dois irrevogavelmente. Chocada, intrigada e, por fim, repelida pelas estranhas exigências sexuais de Christian, Ana exige um comprometimento mais profundo. Determinado a não perdê-la, ele concorda.
Agora, Ana e Christian têm tudo: amor, paixão, intimidade, riqueza e um mundo de possibilidades a sua frente. Mas Ana sabe que o relacionamento não será fácil, e a vida a dois reserva desafios que nenhum deles seria capaz de imaginar. Ana precisa se ajustar ao mundo de opulência de Grey sem sacrificar sua identidade. E ele precisa aprender a dominar seu impulso controlador e se livrar do que o atormentava no passado.
Quando parece que a força dessa união vai vencer qualquer obstáculo, a malícia, o infortúnio e o destino conspiram para transformar os piores medos de Ana em realidade.

Leia mais Voltar

Resenhas

Erotismo pop
por VIDA SIMPLES

A literatura erótica não é novidade. Na antiguidade, textos de autores como Safo e Petrônio já faziam corar os recatados. Ao longo da história, o gênero teve autores de qualidade variada, de clássicos como Henry Miller às coleções Sabrina e Júlia, vendidas em bancas. O que há de novo, então, na trilogia Cinquenta Tons de Cinza, que já vendeu 40 milhões de exemplares no mundo e cujos dois primeiros volumes acabam de ser lançados no Brasil?

Primeiro, a origem. Cinquenta Tons surgiu na internet,...Leia mais

A literatura erótica não é novidade. Na antiguidade, textos de autores como Safo e Petrônio já faziam corar os recatados. Ao longo da história, o gênero teve autores de qualidade variada, de clássicos como Henry Miller às coleções Sabrina e Júlia, vendidas em bancas. O que há de novo, então, na trilogia Cinquenta Tons de Cinza, que já vendeu 40 milhões de exemplares no mundo e cujos dois primeiros volumes acabam de ser lançados no Brasil?

Primeiro, a origem. Cinquenta Tons surgiu na internet, como uma fanfic - ficção criada por fãs - da série Crepúsculo. A dona de casa australiana E L James fez uma obra inspirada na saga de vampiros, mas recheada de sexo. A fanfic fez tanto sucesso que virou livro.

A febre é ainda mais surpreendente quando se considera o teor da obra. Os protagonistas vivem uma relação BDSM ("bondage, dominação, sadismo e masoquismo"). Anastasia, uma garota inexperiente de 21 anos, envolve-se com o milionário Christian Grey, que propõe uma relação em que ele é o dominador e a garota, a submissa. Tudo consensual.

Pueril, talvez, para os fãs do Marquês de Sade, a obra é a primeira chance para boa parte do público de consumir esse material. "As donas de casa conquistaram a liberdade de se excitar com esse tipo de experiência, que já faz parte do cardápio dos praticantes mais experientes", diz Flávio Braga, autor de obras eróticas como Eu, Casanova, Confesso (Best Seller). Para Clara Castro, estudiosa da literatura libertina francesa do século 18, essas questões interessam justamente por serem tabus. "Normalmente, esse conservadorismo é uma máscara ou uma imposição da sociedade", afirma.

Análises mais rasas atribuem o sucesso da obra a uma suposta vontade de submissão das mulheres modernas. Bobagem. Basta pensar em Leopold von Sacher-Masoch, autor que deu origem ao termo masoquismo. Em A Vênus das Peles (Hedra), de 1870, sua obra mais conhecida, inspirada em sua vida pessoal, Sacher-Masoch retrata um personagem que atinge o gozo ao ser chicoteado pelo amante da esposa.

Cinquenta Tons serve para colocar na berlinda os tabus ainda presentes ao se falar de sexo. Claro, trata-se de um best-seller e tem linguagem simples. Mas, se o estilo não agradar, o leitor mais exigente sempre pode recorrer aos clássicos.

Cinquenta Tons de Liberdade
por Sou Mais Eu

No terceiro e último livro da saga iniciada com Cinquenta Tons de Cinza e Cinquenta Tons Mais Escuros, o casal parece se entender e viver um conto de fadas. Mas as coisas mudam completamente quando o passado reaparece para acertar as contas com eles.